taxonomia p’rá você

Hoje olhei com atenção para a conserva que me esperava para o almoço e reparei na seguinte descrição:
image

Fiquei intrigada. O que é “tipo” polvo?

Fui ler o verso da embalagem e lá explicava-se que o conteúdo era pota.

Meus amigos, pota não é polvo. Quanto muito é “tipo” lula. O polvo e a pota estão agrupados até à subclasse Coleoidea (têm concha interior) mas pertecem a taxa diferente daí para baixo.

Trocando por miúdos: é a mesma coisa que servir vaca e dizer que é “tipo” coelho, uma vez ambos pertencem à subclasse Eutheria (têm placenta)! É correcto dizer que encontraram um “tipo” javali no sótão, quando na verdade era um rato? Ou que os vossos filhos querem um “tipo” antílope quando na verdade eles pediram um cãozinho? Ou que o gajo que desenhou este produto é “tipo” burro? Ah, espera, é burro mesmo!

‘tá bem, abelha!

As ironias apelam-me à bipolaridade, porque não lhes resisto à piada mesmo quando me deixam furiosa. Como quando a semana passada a assistência em viagem, que me custa um balúrdio, me mandou ligar para o 112 ou acenar na berma da estrada porque não podem prestar auxílio nas autoestradas Francesas. A senhora ficou ofendida quando eu me desatei a rir ao telefone. Pela primeira vez na vida tive pena de falar tão mal Francês, porque mal consegui exprimir a minha imensa gratidão ao camionista que encostou para ajudar… logo eu, que passo cada viagem de carro a criticar os camionistas. De certeza que se puxar pela cabeça encontro mais uns loops irónicos nesta história…

Há uma ironia, porém, que me deixou apenas perplexa.

Em Portugal, passou-se tudo para a TV digital com pompa, circunstância e confusão. Tivemos que gramar MESES A FIO com o Pedro Granger a explicar às pessoas que têm de comprar um descodificador. O pessoal mais teórico até já andava a dizer que foi tudo para as empresas de TV cabo angariarem mais clientes. Houve altercações com os velhos aldeias e até deu aso a burlas. Gastou-se dinheiro público para assegurar o fornecimento de novelas e reality shows a todos os cantos do país. E afinal não funcionou bem, sequer. Mas o pior foi mesmo o Granger, pá!… E depois disto tudo, quando fizeram a mesma coisa cá na Bélgica, o único – ÚNICO – canal que desapareceu da grelha cá de casa foi, justamente,  RTPi.

Primeiro veio a negação: achei que a culpa era da televisão nova e andei a furiosamente a ler o manual e a ressintonizar os canais todos. Depois veio a ressaca do hábito de ver o Telejornal depois do jantar e aos Domingos à tarde a beber uma bica. Agora até sinto que sou uma pessoa mais feliz sem a náusea provocada pelas obscenidades da pátria mãe em cima da digestão. E, à excepção dos anúncios aos comércios e restaurantes dos portugueses emigrados, a RTPi não transmite nada de jeito. Mas chateia-me. E confunde-me. Já não basta a TAP* nos ter virado as costas, a RTP agora também cagou para o emigrante?

Diz que é “para a grande família portuguesa”… ‘tá bem, abelha!

*Tema de um post muito amargurado a ser publicado em breve.

Belgium A to Z – W and X

W – Waffles
Waffles are a bunch of butter, flour and sugar battered together and cooked between two hot irons. These hot irons are like toasters and are called a waffle maker or, in Nengels, waffelizer. In Belgium there are two official types of waffles: the nice rectangular ones from Brussels, which don’t have caramelized sugar and are lighter, and the ones from Liège, which are dense and sticky. Then there are the free interpretations of those concepts that can be found in supermarkets or made at home. Waffelizers are a common appliance in Belgium homes, like a bread roaster or a coffee maker. Once someone even brought one to the office along which a huge pan of dough and we baked waffles all afternoon until we felt sick and the entire building smelled of butter.

I love waffles. Well, not the waffles themselves – there’s nothing so special about them. But they’re comforting. First, well, because it’s butter and carbs. Second, where there are people there are waffles. Even there’s nothing else to eat for sale, I can always count on a warm waffle to stall my hunger. Third, because it’s nice to grab one in the street when it’s really cold and warm up my hands and my tummy. I love waffles because I don’t have paper cones full of coal roasted chestnuts.

X – XS

I’m chubby – there, I’ve said it for the whole WWW to read.

I’m chubby or curvy in the good days (lusciously curvy in the excellent days). And despite the increase in sports activities, I don’t know if it’s the food or the hormones or what, but I’m getting chubbier by the year since I’ve been living in Belgium. Luckily, this change in my body was accompanied by a change in clothes tags. My Large/Medium in Portugal is now a flattering Small (sometimes XS) in Belgium.

It’s as if clothes retailers here accepted their reality: Belgian girls are generally healthily curvy (and often quite hot and/or athletic). Hence, they decided to make clothes FOR them, not for them to LOOK AT with sad resentment because it won’t fit. They decided to sell nice bras for womanly pairs of boobs, tight jeans for curvy good quality I-intend-to-have-children-someday booties and dresses tho wrap around feminine bodies, not sticks.

(If you’re Belgian and you’re reading this and you just think I said you’re fat, you’re not getting the point so stop reading and go strive for an eating disorder.)

Sounds pretty obvious, doesn’t it? So why did I have to come to Belgium to not scavenge all sales season for a piece in the piles and piles of no one -fitting XS and S leftovers in the shops along side the chubby women (curvy in the good days… some of them at least) who make the majority of the Portuguese feminine population?

Of course, the skinnier girls complain. If I can fit in an XS, they’d need an XXXXS. But I find this very pleasant! It’s as if I’ve been suffering from rejection and attempted brainwashing by the Inditex empire all my life and finally saw the light!

I see what you did there

A tale of the stupidity of bibliometrics

The impact factors of 2011 have been out for a couple of weeks now. It’s like New York Fashion Week for geeks or as if Moses got a brand new pair of stone tablets every year! I’m no exception to the buzz: I studied the JCR to check where my publication list stands and what are the trends for next year. I’m pretty glad with my news but that’s not what I want to talk about.

Right on the top 20 journals ranked by IF, there’s a journal of my field. Not possible. My field is IF 10 max! Truly intrigued I was, so I checked the journal’s website. Weird: unsophisticated layout and no electronic submission system. What is this, the XX century?? But the editor is renowned they did publish a lot last year and on interesting stuff… the same authors appear repeatedly in each paper… Hold on a minute.

Back to JCR, this is what I find:

the jerk

The jerk is the most well adapted humanoid kind and exists with the sole purpose of annoying and disgusting its fellow citizens.

There is no consensus regarding the origin of a jerk (jerk families? circumstantial drift? transitory testosterone drive stage?). His reproduction can only be ensured by either stupid or desperate women. Until the jerk finds that woman (and often even after he does), the jerk treads the environment occupied by regular humans attempting to simulate situations of actually having a chance with regular women. This implies harassment and picking fights with possible male competitors, in which the jerks imagines he’s seducing rather than annoying and also that he actually stands a chance of being taken serious rather than disdained and/or kicked in the nuts.

This imaginary world of success with chicks is only possible because jerks have a unique physiological feature: a nerve connecting its penis to its anus to then to its mouth, which makes the his verbalization highly susceptible to what it seems to be sexual talk but its actually just crap.

the construction worker subtype reciting its poetry from a scaffold

The subtype “construction worker “, is easily distinguishable from the common jerk because its vernacular character seems to be limited to its workplace and varies inversely to the height to the scaffolds. In addition, the construction worker subtype only exists in certain nationalities and its culture has been fostering highly creative, dirty and sometimes explicit compliments to women which are accepted and even embraced by the people as a humorist movement (masons or scaffold poetry), whereas the common jerk is endemic to the entire western world and does nothing good.

Furthermore, unlike the construction worker subtype, the jerk can have different appearances, from the distinct suit and tie to the suburban rapper wannabe. Nonetheless, some features can hint the citizen on whether or not he/she is the presence of the a young jerk: the combination of tight t’shirts and hair gel; a cap barely balancing on top of the head because it’s too small and the jerk’s gait (or swag) is that of a hyena with its buttocks sewed together; a cigarette in one hand and a bottle of an alcoholic drink in the other combined with a farsighted gaze and what appears to be an incontrollable need to curse out loud. Not always, but unfortunately often, the young jerk “evolves” into the adult common jerk. With good guidance, he might divert to the superior construction worker subtype or even find redemption as the middle aged man in the parochial parties who dances with his own bottle of beer.

Translation “Sometimes the future does not lie ahead of you, but rather right behind you.” – A good prognosis for this young jerk, if you ask me! (Fonte: http://atomic-kim.blogspot.com/)

The presence of the common jerk makes any moment of the day turn worse, especially for the female citizen… but its worse when we’re out trying to have fun. Any woman knows the discomfort of having to listen to jerks, walking down an empty street where jerks are or trying to dance with jerks at sight range. The jerk is my number 1 most annoying thing about going out at night. If I would make such a ranking, jerks would beat meeting at 21h for dinner without having a reservation and walking around asking waiters for a table in full restaurants or, even worse, discussing whether you’ll all go for thai or pizza. If I were to make the equivalent ranking for daytime, it would beat public transport strikes and beggars with those tiny drugged dogs holding a basket in their mouths. Worse than beggars with the tiny dogs with baskets: that’s just how much I detest jerks.

mais um ftraque

Depois daquela treta de sugerir que mais vale o Twilight que o Eça, o nosso hipermercado cultural voltou a baralhar os valores todos…


Taditos, são franciús*… não pescam nada de literatura portuguesa!

* Mitch, tu não contas, viveste lá muitos anos!

metam o dia no cú

Os Dias Internacionais de Não-Sei-Quê servem para chamar atenção para causas que têm de ser combatidas ou protegidas. Por isso, lamento, mas detesto o Dia da Mulher. É o reconhecimento geral comemorado com beijinhos, postais e ramos de flores, de que:

  • somos cidadãos de segunda em muitos países, que temos mais dificuldades em vingar num emprego,
  • ganhamos menos que os homens,
  • levamos porrada e somos molestadas de todas as formas por gente bárbara e  isso continua a ser normal mesmo quando é oficialmente inaceitável
  • a sociedade nos dá facilmente um papel mas que temos de batalhar muito por um estatuto.

Ainda por cima,  se nos indignarmos com estas situações, que são no seu elemento estapafúrdias, somos feministas, fufas e/ou ressabiadas. E até nos mandam logo com aquela estupidez do “queres igualdade então vai lá acarretar baldes de cimento a ver se consegues”, os burros de merda que do alto da sua próstata e massa muscular mais desenvolvida não sabem distinguir diferença de discriminação.

Enfim, estou a dispersar…

Era só para dizer para meterem as flores e os balões cor-de-rosa no cú.

fale com um amigo

Tenho andado acossada com anúncio que tenho visto na RTPi a uma linha de apoio que diz que põe as pessoas a falar com um amigo. Apoio a quê? Não sei bem e é isso que está a dar cabo de mim! Vejamos… O anúncio começa com uma musiquinha dramática e uma mulher óculos escuros a chorar e a fazer umas boquinhas, não se percebe se é da tristeza ou se tem um resto de comida nos molares. Depois tira os óculos e vê-se que tem os olhos negros.

Oh! então,  é uma linha de apoio à vítima de violência doméstica, está-se mesmo a ver!

Pois, parece que não. A senhora pega no telefone, vê-se do outro lado uma moça de sorriso complacente com um auricular. A senhora lá fala com a moça e olha com os seus olhinhos de sopapo para cima como se estivesse a orar e logo sorri de novo e… – isto é que me escapa – mete a aliança de casada no dedo. Ou seja, ela estava a levar porrada de meia noite, com uma baita duma depressão e já se tinha decidido a deixar o gajo. Mas graças a esta linha SOS aceita a sina que lhe foi dada por Nosso Senhor e salva abnegadamente o seu casamento. É isto? Ou será que os senhores do atendimento são tão bons psicólogos que ensinam a mulher a usar a também psicologia para tornar o marido num sujeito pacífico? Ou, mais prático ainda, ajudam a gaja a não ser uma daquelas mulheres problemáticas que só merecem porrada?

Seja como for, a linha de apoio promete um serviço espectacular. Só é pena que tenha um anúncio tão cretino!

perguntam eles

Vejamos. Às pessoas que há muito tempo pouco ou nada têm, o “com menos” não se aplica. Aos que tinham mas agora até comida lhes falta, até é má criação perguntar… “Olha, vou à mitra!”?? Presumo então que a hipótese desta sondagem seja que todos os outros, que estão simplesmente a apertar o cinto, relacionem a qualidade do Natal com a quantidade e a qualidade das prendas.

Acho degradante a quantidade de vezes que a comunicação social tem vindo tentando retratar as classes média e baixa portuguesa como deprimidinhas porque as pessoas têm de gastar menos dinheiro em prendas. Fazem estatísticas das transações multibanco e da desgraça do comércio tradicional. Entrevistam aquelas velhotas na rua a dizer que vão fazer uns biscoitos ou que só vão dar qualquer coisa aos netinhos, ou o senhor de meia idade a dizer que decidiu restringir os gastos e oferecer apenas coisas úteis… como se estas atitudes fossem um flagelo, manifestações do armaguedão socio-econónimo e não fruto dum bom senso que se deveria ter todos os anos.

Desculpem a linguagem, mas isto é bater punhetas à tristeza!

Ao contrário do que acontecia há, sei lá, 50 anos, a maioria dos portugueses de hoje não são pobres nem passam necessidades. E, neste Natal, vão conseguir pôr bacalhau e filhós na mesa. A única coisa que vai distinguir os que vão ter um Natal feliz dum Natal infeliz, não se compra, não se mede com nenhum indicador económico e nem sequer se traduz pela devoção com que se vai à missa do Galo. E essa coisa é sentir o espírito de amor e comunhão… até estarmos tão empanturrados que nem sentimos mais nada.